segunda-feira, outubro 17, 2011

Maratona de Amsterdão - uma linda aventura!

A Maratona de Amsterdam, e tal como falei ontem, foi fantástica!

O ambiente que envolveu esta prova foi especial, pois a organização tinha tudo mas tudo controlado de forma a que fosse um êxito. Quem ainda não conhece deve apostar em participar nesta prova. Eu já tinha tido um "cheirinho da boa organização" à dois anos atráz, na prova de 8 km, quando ainda não me imaginava fazer algum dia uma maratona.

Fomos bem cedo para Amsterdam (eu e a Amélia), e 8 horas da manhã já lá estavamos, para tratAr de levantar o dorsal e visitar a Expo Marathon. Depois dos preparativos pessoais fomos entregar o meu saco, e estavam lá milhares de atletas, mas tudo funcionou em poucos minutos nas imediações do Estádio Olimpico, onde foi o local da partida. Eram cerca de 9 horas, mas ainda estava muito frio, mas o sol estava a brilhar, não haviam nuvens, nem vento. Nesse momento fui até ao local da partida, dentro do estádio, enquanto a Amélia ficou nas tribunas.
Durante uns minutos levei para entrar, pois eramos milhares a entrar no estádio, e quando lá entrei senti a andrenalida a subir, e tudo cantava e pulava, não sò para aquecer, mas a música assim fazia aumentar o entusiasmo.

Entrei no meu local de partida com a letra E e cor laranja da bracelete, para atletas entre as 3;30 e as 4;30 h de prova. Na bracelte tinha um pequeno pormenor, que dava como informação e orientação os tempos de passagem aos 5 ; 10; 20 km etc, etc. Gostei deste pormenor da organização!

9;30h em ponto foi dada a partida! Que festa mágnifica! E em 2 minutos eu estava também a iniciar a minha 2ª maratona. Com 3 km estava no Voldelpark e deu-me a vontade terrível de urinar e como haviam àrvores com fartura foi fácil de encontrar o local apropriado, só que muitas outras estavam também ocupadas, porque haviam muitos interessados! Por essa altura já não sentia qualquer frio, e logo de seguida veio o Museu Real de Amsterdam, e durante todo esse trajecto eram milhares de pessoas que incentivavam os atletas, isto por volta das 10 horas da manhã. Tou mesmo a ver em Portugal nessa hora milhares de pessoas a saírem de casa para incentivarem os atletas.

Reencontrei a Amélia por volta dos 8 km, assim estava combinado, porque depois a corrida saía da cidade e só no retorno ela poderia ver-me de novo. O meu ritmo era muito bom 5 minutos e 15 segundos por km.

Pelos 13 km junto do Canal Amstel, o elicóptero que fazia a cobertura para a Eurosport fêz um voo mais baixo, para tomar um plano da corida enquadrada com o canal, e simultânemante a captar imagens dos primeiros corredores, (certamente Quenianos!!) no lado oposto do canal e fiquei com a imagem de que eu estava a participar num evento de grande epectáculo, e de grande categoria internacional.

O meu andamento continuava muito bom, dentro daquilo que eu tinha idealizado. E vieram os 15 km. E vejo um equipamento com uma pequena bandeira portuguesa, com o nome António. Este é portuga, pensei eu e meti-me com ele...conversa puxa conversa, e se dava para conversar era que o ritmo era bom, e lá fomos até que o António (segue o nosso blogue e está na lista dos blogues dele). O António Alves que tem o blogue Queroserumironman.blogspot.com , foi o meu companheiro entre os 15 e 28 km, e que dizer de um mundo pequeno como este!? António ainda vamos comer um frangainho ao Gordo a Torres Vedras e comemorar esta nossa corrida.

Passei (aliás passámos, eu e o António) a marca da meia maratona com 1 hora 50 minutos e 45 segundos, e a média por km estava na casa dos 5 minutos e 05 segundos. Óh pá o tiro está bom, mas tudo em redor estava bom. O canal Amstel cheio de gente a correr em ambas as margens, o sol brilhava, o sol tinha agora uma temperatura muito agradável, havia barcos tradicionais a navegarem com grupos de música para motivarem os atletas e animarem a festa da corrida. Excelente!!

Por volta dos 27 km lá estavam um grupo de amigos do Antònio, a incentivarem-(nos), com bandeiras portuguesas e a fazerem uma grande algazarra, tal como os outros milhares de pessoas do público. E antes dos 30 km o António foi embora, no ritmo dele e eu não tive a coragem dele e resguardei-me, dento dos meus limites e cálculos de forma a terminar bem a maratona.

Passei bem aos 30 km, com 2 horas, 36 minutos e 49 segundos, ainda dentro do ritmo que considerava normal e que eu estava sem qualquer cansaço físico ou desgaste. Um pouco mias à frente umas leves picadas na virilha e uma ligeira cãmbrea no músculo interior. Mas nada de alarmante, pois nesta ocasião fiz um abaixamento de ritmo, para ver o que se passava, e optei por manter um ritmo mais baixo nos próximos kilómetros. E assim fiz até que passei os 35 km já mais lento que anteriormente, e por volta dos 36, junto do Museu dos Trópicos, as câmbreas na zona das virilhas não me deixavam, fazer os passos muito largos, e ainda baixei um pouco mais o ritmo da corrida, de forma em não me lesionar. Pensei em em eventual publagia?! Então vamos mas é chegar à meta de forma tranquila!. E o ritmo dos últimos 6 km foi mais lento. Mas mantive-me sempre a correr, aquilo que não tinha acontecido em Roterdão, onde tive grandes bucados a passo.
Esse momento de alguma quebra deu para recordar, as recomendações do Fernando Andrade, do Joaquim Adelino, ou o incentivo da Ana Pereira, e do Carlos Lopes, e claro os conselhos e incentivos importantes da Amélia.

Passei no retorno pelo Museu Real e entrei de novo no Vondelpark, com o ritmo de quase 7 minutos por km, mas o excelente público e os muitos grupos de música incentivavam-me a manter a corrida num nível aceitável. Saí do Vondelpark 41 km e encontrei a Amélia, e recompuz mais algumas forças, para a emicionante ponta final. E cada vêz era mais e mais público, já nas emediações do estádio, e nem se sentem dores, nem se sentem pernas, só via lá do outro lado o arco final com a palavra Finish, e milhares de pessoas nas bancadas do estádio olimpico a fazerem uma festa maravilhosa. E o relógio ficou para mim nas 3 horas 54 minutos e 43 segundos, naquele que era o meu Record Pessoal, com cerca de 9 minutos mais rápido.

Em termos gerais fui o 422º entre 968 da minha idade (homens 50 anos). Terminei em 4638º de 9630 concorrentes, para além dos bussinessRun. Fiz a prova numa média de 10,786 km/h e 5 minutos e 32 segundos por km.

Por tudo isto que passei neste dia 16 de outubro, considero uma grande maratona!

E nunca é demais saber que há amigos que nos apoiam, de todas as formas nestas coisas, e também contribuí para a ajuda de uma causa, com a angariação de fundos de um hospital de criânças na Nigéria.
Obrigado a todos! E sempre, sempre um obrigado especial à Amélia que me "atura" nestas aventuras.

Hoje estava um pouco dolorido, mas já fiz 20 km de bicicleta até ao meu trabalho. Mas estou bem entusiasmado para atacar a próxima, será em Abril, novamente em Roterdão.

10 comentários:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Bem...Xavier! Que espectáculo! Ler assim, passo a passo, trouxe-me tantas recordações (antigas já) de como é correr uma Maratona. E que saudades.

Esse ritmo inicial de 5:15 lembro-me de o ter feito precisamente numa das minhas maratonas, para depois quebrar lá para o 30 e qualquer coisa e acabar com 4 horas e picos (2 minutos salvo erro). No Porto.

É assim a Maratona, por muito boa que tenha sido a preparação, mesmo que adaptemos o ritmo à nossa preparação e objectivo, tudo pode acontecer. São muitos quilómetros e pode sempre haver imprevistos e nunca sabemos como o organismo vai reagir. Acho que essa faceta de mistério, é também uma das facetas e encantos da Maratona. Mesmo que já tenhamos corrido várias. É a minha opinião.

E claro que o Xavier fez uma GRANDE MARATONA, como considera e considera muito bem! Portou-se muito bem e apesar das várias contrariedades conseguiu adaptar o seu andamento e chegar ao fim bem!

E acredita que aqui a menina a correr na capital de Portugal na Corrida do Sporting, quando lhe começou a "doer" a falta de treinos, se lembrou de si? E lhe mandou a maior força?

Um grande beijinho e quem sabe ainda um dia estaremos na mesma Maratona a correr.

E boa recuperação e muitos parabéns pelo record

Ana Pereira

Amelia Xavier disse...

nnnn

Amelia Xavier disse...

Schat foi fantástico!!!
Só quero que saibas que foi emocionante viver estes momentos contigo e que o faço com o maior prazer....só tenho pena de não ter a tua coragem fazer os 42km para mim o máximo é a meia ...ik ben trots op jou.
Kus

NS disse...

Parabéns Xavier!

No domingo quando terminei o treino da manhã às 11h15 (portuguesas) lembrei-me se estaria a terminar. Foram mais 10 minutos ainda assim um grande resultado!

Fico com uma dúvida. Qual a melhor, a maratona de Roterdão ou a de Amsterdão?

Abraço,

NS

joaquim adelino disse...

Parabéns amigo Xavier, infelizmente só deu para ver na Televisão os quenianos e 2 dos melhores holandeses de vez em quando, junto deles seguia o Feiteira e o Chaiça, senão nem esse conseguíamos ver e entraram os 2 nos 20 primeiros lugares, o resto era a confusão e por breves momentos, foi em termos objectivos uma transmissão deplorável da Eurosport e do comentador português que por pelo menos meia dúzia de vezes não viu os melhores atletas portugueses e continuava a dizer que não sabia a sua localização, (Sr. João Abrantes um pouco mais de objectividade também se precisa).
O que importa aqui neste momento é que a sua prova foi excelente, imagino também a confusão durante o início da prova, aquilo era muito estreito, mesmo na zona daquele bonito Lago os caminhos eram muito limitados, por isso considero a marca muito boa, não importando que a determinada altura as coisas se complicaram um pouco, ao mesmo tempo teve o descernimento de optar por respeitar os sinais que foi recebendo e assim conseguiu concluir e superar mais esta Maratona com sinais positivos e sem traumas que o levam a acreditar que este tipo de provas continuarão a fazer parte do seu calendário.
Recebam queridos amigos um abraço fraterno deste vosso prezado compatriota.

António Almeida disse...

Muitos parabéns por mais uma, hoje mais que nunca acredito que terminar uma maratona é algo ao alcance de todos mas conseguido apesar de tudo por poucos, fazer parte dessa gente louca que corre maratonas é sem dúvida um privilégio.
Abraço ao casal.

Fernando Andrade. disse...

Amigo Xavier
O excelente resultado alcançado nesta tua 2ª maratona só foi possível graças ao facto de teres sabido respeitar, mais que qualquer ritmo, os sinais que o corpo te foi dando ao tempo de prova. Isso obriga a variações (para o lado do lento) no andamento -que até podem não ser agradáveis mas são fundamentais para que se termine em boa condição física. Foi uma atitude muito inteligente, teres deixado o António "Ironman" ir embora aos 30, quando seria previsível que as coisas se complicassem. Se calhar, se insistisses no andamento até aos 31 podias ter tido um resultado, não digo desastroso, mas que te custaria muito a pagar, com um final de prova bem mais doloroso. Mas, como diz a Ana, é na imprevisibilidade do que pode acontecer durante tão longa corrida, que reside o encanto da Maratona. E é na busca desses mistérios que acabamos por ficar viciados.
Parabéns pelo excelente resultado.
Grande abraço.
Fernando Andrade

José Xavier disse...

A todos agradeço estes fantásticos comentários.

Ana Pereira;
Sobre a magia da maratona,acho que também já estou "viciado", na procura da mesma.

Schat;
Estares sempre do meu lado nestas aventuras, é sempre muito importante para mim.

Nuno;
Eu também estou com a mesma dúvida. Cada uma com seu charme e as duas muito bem organizadas, e muito acarinhadas.

Joaquim Adelino;
Comentadores dessa natureza é melhor nem dizerem nada. Até eu do outro lado do canal vi o Feiteira e o Chaíça a passarem!!
Mas não tive a impressão de ser apertado junto do canal. Estava lindo e muito bom para correr. Porque nós somos incluídos nas grelhas que todos correrm com tempos idênticos, então não se nota nada.

António;
Hoje posso orgulhar-me de estar no vosso grupo de maratonistas, e dar valor à emoção de terminar já duas maratonas!

Fernando;
Os vossos conselhos experientes e sábios, serviram-me e vão-me servir sempre. Desportivamente sempre tive o hábito de seguir os conselhos dos experientes e dos técnicos, e tenho-me dado muito bem. Escutar os sinais que o nosso corpo vai emitindo é muito importante. Mas uma coisa é certa, vou continuar sempre a seguir os vossos conselhos.

Corredor da Treta disse...

Viva Xavier!

Excelente relato dessa grande aventura que foi a Maratona de Amesterdão.
Parabéns pelo "Record do Mundo"!

Para mim foi um prazer e uma alegria ter-te conhecido e ter podido partilhar aqueles kms de corrida e de conversa.

Já vi umas fotos, que o meu amigo Rui tirou e em que estamos 5 estrelas... assim tipo quenianos "amadores".
Logo que as tenha comigo faço um post no "queroserumironman" e é só sacar à vontade (já paguei os direitos de autor ... em Heinekens).

Grande Abraço e boas corridas!
António

luismotatomar disse...

Correr a Maratona é uma experiência fabulosa. Parabéns pela sua 2ª Maratona concluída com sucesso.
Adoro correr a distância e fico muito feliz quando alguém consegue tal feito.
Força para Roterdão, pois a magia da Maratona acontece quando o caminho é feito com muita dedicação.
Cumprimentos da família Mota, em Portugal, para todos vós aí na Holanda.